Como Morreu Caifás?

É aqui que vamos te contar a verdadeira história de Como Morreu Caifás o judeu que condenou Jesus Cristo.

Tendo Pôncio Pilatos lavado as mãos para não se envolver diretamente no julgamento de Jesus Cristo, este acabou condenado à morte por José Caifás, supremo sacerdote do Templo de Jerusalém.

Caifás era um dos judeus mais ricos daquela época e vivia suntuosamente. Em 1999, seus ossos foram encontrados numa urna de cobre, juntamente com os de uma mulher, um adolescente e dois meninos. De quem eram aqueles ossos? Que segredo Caifás levou para o túmulo?

Em torno desse mistério, a romancista espanhola Beatriz Becerra escreveu um dos mais fascinantes romances históricos dos últimos tempos, capaz de rivalizar com o próprio Dan Brown em seu “Código da Vinci”.

Miriam, criada do palácio de Caifás, é quem nos vai fazer a revelação, numa história em que se entrecruzam os personagens mais proeminentes de seu tempo: Jesus, sua mãe Maria, os apóstolos, Pilatos, Maria Madalena.

A narrativa de Miriam evoca os principais aspectos do cotidiano na Palestina do Novo Testamento, num romance primoroso, resultado de cinco anos de pesquisa histórica e arqueológica.

Ele reconstitui de modo impecável e cheio de sensibilidade um período remoto e vultos célebres de que tanto ouvimos falar, mas que tão pouco conhecemos na sua dimensão humana e psicológica

Quem Foi Caifás?

Astuto, manipulador e sagaz são qualidades que poderiam ser aplicadas a  Caifás, o sumo sacerdote que presidiu dois dos julgamentos de Jesus.

Ainda que não fosse pelos relatos bíblicos, só o fato dos romanos o deixarem permanecer no cargo por mais tanto tempo (18 anos) já mostra que ele era um manipulador astucioso.

Mas é nas Escrituras que vemos sua habilidade em se manter no poder político. Após a ressurreição de Lázaro, ele tramou friamente a morte de Jesus. Ele tentou tranqüilizar a consciência de qualquer membro do Sinédrio que talvez não tivesse coragem de acusar a Jesus.

Ele fez isso atribuindo motivos elevados a este ato perverso: “Convém que morra um só homem pelo povo e que não venha a perecer toda a nação” (João 11:50).

Quando ele, com a ajuda de Judas, conseguiu prender o Salvador, o propósito de cada passo seu foi para ver Jesus morto o mais rápido possível, sem nenhuma consideração para com a justiça ou a lei.

Depois de Jesus se apresentar diante de Anás, sogro de Caifás e considerado por alguns judeus o verdadeiro sumo sacerdote, Caifás e o Sinédrio expuseram Jesus a dois julgamentos falsos.

No primeiro julgamento, Caifás cinicamente presidiu uma demonstração pública de perjúrios. Quando Jesus permaneceu calado sem se rebaixar ao nível de seus acusadores, Caifás impacientemente demandou uma resposta direta à pergunta de ser ele ou não o Filho de Deus.

Ouvindo uma resposta afirmativa, de modo hipócrita rasgou suas vestes, fingindo estar chocado, e declarou: “Blasfemou! Que necessidade mais temos de testemunhas? Eis que ouvistes agora a blasfêmia!” (Mateus 26:65). Ele então assistiu, sem interferir, a uma multidão profana que cuspia em Jesus e o ridicularizava.

O ódio de Caifás pelo caminho de Deus não terminou com a morte de Jesus. Ele continuou ativo, perseguindo a Pedro e a João (Atos 4:6) e provavelmente era o sumo sacerdote mencionado em Atos 5:17-21, 27; 7:1 e em 9:1, o qual perseguia os cristãos com todo o vigor.

Para Caifás, a vida nada mais era que lucrar e preservar o seu bocado de poder insignificante. Mesmo com toda a sua manobra e trama, ele é uma personalidade absolutamente insignificante na História, a não ser por tratar infamemente Jesus e os cristãos.

Sua obsessão por conservar-se no poder o tornava frio, indiferente e incapaz de ver que o Filho de Deus estava ali no seu meio.

A Atitude de Jesus para com Caifás

Jesus entendeu que ele e Caifás eram de dois reinos completamente diferentes e que seria impossível tratar com Caifás em seu próprio domínio mundano e político. Jesus não tentou organizar um protesto, incentivar um boicote ou usar algum tipo de poder político para criar problemas para Caifás.

A missão de Jesus era convencer quem tivesse o coração aberto, não exercer pressão política nos que tivessem o coração empedernido.

Assim, quando Jesus teve de tratar com Caifás, vemos apenas um silêncio cheio de dignidade em face da injustiça indizível e, por fim, uma resposta simples S “Tu o disseste” S à pergunta direta quanto a ser ele ou não o Filho de Deus.

Qualquer outra abordagem de um homem mundano, superficial e de mente fechada teria sido inútil e degradante.

Os Caifás de Nossos Dias

Hoje em dia, os seguidores de Cristo têm às vezes de lidar com pessoas que acham que o objetivo de vida é conseguir e preservar a influência dominadora sobre algum “reino”, que pode ser tão pequeno quanto uma congregação ou tão grande quanto uma nação inteira.

Os Caifases na política. O mundo cada vez mais se acha sob o controle de políticos que, à semelhança de Caifás, têm poucos princípios e cujo único objetivo é guardar o poder que conquistaram.

Para alguns, o meio de conservar o poder político é defender (ou, pelo menos, não combater) práticas ímpias que são valorizadas por pessoas mundanas.

Como o cristão deve reagir diante desses políticos sem princípios? Muitos põem a confiança em boicotes, abaixo-assinados e chantagem política. Embora essas táticas possam nem sempre ser erradas, são realmente as táticas de Jesus?

Lembre-se: a missão de Cristo é transformar o coração dos que podem se abrir para a verdade, não forçar os duros de coração a fazer o que não querem. Não devemos nós, como cristãos, seguir o exemplo de Cristo quanto a isso?

Os Caifases na igreja. Infelizmente, o impulso do espírito de Caifás para ampliar e manter os “campos de influência” não é desconhecido entre o povo de Deus.

Às vezes parece que alguns irmãos descartam todo senso de “jogar limpo”, de dignidade e de amor na tentativa de ganhar batalhas e adquirir influência. Alguns, como Caifás, tentam atribuir motivos nobres a suas manobras astuciosas.

De que modo devemos lidar com esses Caifases modernos? Podemos ser tentados a nos rebaixar ao nível deles e “jogar com o mesmo trunfo” ou “mostrar a eles o que eles merecem”.

No entanto, quando está claro que alguns ficaram completamente insensíveis aos conceitos de justiça e de retidão, a melhor forma de lidar com eles muitas vezes será da forma em que o Senhor lidou com Caifás S com silêncio e dignidade.

Eles pertencem a outro mundo, um mundo em que a grandeza é determinada não pela humildade e por servir, como Jesus ensinou, mas pela aquisição de um tipo quase político de influenciar as outras pessoas. Revidar indignadamente contra seus abusos pode ser tanto degradante, como inútil.

Que Deus nos ajude a imitar o seu Filho no trato com esses Caifases que infelizmente sempre estarão presentes ao longo da nossa viagem em direção ao céu.

Como Morreu Caifás?

Tristemente não temos notícias sobre Como Morreu Caifás. Ainda que mencionado pela Bíblia, nada sabemos sobre como ele morreu e nenhuma chance sobre sua morte é capaz ser tida como documentadamente comprovada.

Na década de 90 foram achados uns ossários, na terra de Talpiot, quarteirão de Jerusalém na via para Belém, e num deles estava o nome de “Joseph bar Kaiapha”. Surgiu logo a chance de que aqueles restos mortais seriam do Caifás.

Os relatos estão sempre sendo estudados sobre Como Morreu Caifás e assim que estivermos notícias venho postar tudo aqui para vocês leitores do nosso blog.

O que achou dessa fabulosa história de Como Morreu Caifás? Deixe seu comentário logo mais abaixo…

Gardner Hall

Por Geração EditorialEstudos da BibliaA Bíblia

Leia Também:

Oração Para O Dia Das Mães
Oração de Proteção à Família
Jesus Escapa de Seus Inimigos em Nazaré

Comentários